a história da Rede

a historia da rede 5G


Vale tudo na guerra pela rede 5G. Quem for o primeiro a dominar a nova tecnologia de comunicação móvel vai ter uma vantagem tão grande que pode dominar o mundo para sempre. Acha que estou a exagerar. Então leia com atenção.

Primeiro vamos saber quem essa senhora rede 5G. A  1G, a primeira de todas, introduziu o telemóvel nas nossas vidas nos anos 80 de século passado e passamos a poder andar e falar ao mesmo tempo. Essa coisa que hoje parece mais normal que beber um copo de água foi uma novidade mais extraordinária que o homem chegar à lua. 

A rede dois 2G, apareceu nos anos 90 em vários países da Europa e o velho continente nunca mais parou de mandar SMS’s; em todo o mundo os postais de Aniversário, Pêsames e Boas festas começaram a desaparecer para sempre. Hoje um terço da população do mundo nem sabe o que isso é! 

No início do terceiro milénio o Japão contou até 3, G! E no país do sol nascente milhões de japoneses e japonesas, logo seguidos por toda a gente em quase todo o mundo – nem vindo a melhorar mas a tecnologia não é a coisa mas inclusiva e igualitária do mundo – começaram a surfar a internet em todos os lugares.  A internet deixou de estar agarrada à parede e passou a estar agarrada ao telemóvel. Foi na vigência desta tecnologia que nasceram e cresceram as empresas que hoje são as mais valiosas no mundo, como o Facebook( 2004) ou o Twitter(2006).

4G, a rede que temos agora, nasceu nos Estados Unidos da América e trouxe como novidade mais visível o streaming, quer dizer, passou a ser normal  ver vídeos e ouvir música em qualquer lugar. Mas isto foi só a consequência de um avanço tecnológico notável: com o rede 4G deixou de haver diferenças entre a tecnologia móvel e fixa e a linguagem partilhada pelas duas passou a ser a mesma. Mais rápida na parede que nas estrada. Mas verdadeiramente a mesma.

Em abril deste ano está previsto o arranque da rede móvel 5G, que promete revolucionar – de novo –  o já de si revolucionário progresso tecnológica que o mundo tem vivido nas últimas décadas. Mas o seu lançamento pode estar comprometido. É que quem vai à frente na corrida é a China e os Estados Unidos não querem que isso aconteça. E percebe-se, porque é o futuro da humanidade que está em jogo. 

A rede 5G vai ser 100 vezes mais rápida o que vai tornar realidade a tal “internet das coisas”. Virtualmente todos os objetos do mundo podem estar ligados uns aos outros. Falar uns com os outros. O frigorífico vai pedir ao o carro para ir comprar comida, enquanto você fica em casa tranquilamente a ver um filme. Vai haver nano sensores circular no nosso sangue que vão avisar imediatamente o médico logo que uma das nossas células se estrague. Ou melhor ainda vão “consertá-la” sem ser preciso dizer a ninguém. A medicina vai transformar-se radicalmente, a vida em sociedade também. O aumento real da esperança de vida dos novos seres humanos 5G vai efetivamente aumentar. É sempre por causa da tecnologia que o homem avança em termos de raça. Foi o polegar oponível, o silex e a roda que estiveram na origem da extinção do Homo Sapiens e no advento do Homo Sapiens Sapiens. Da mesma forma, como nunca antes aconteceu, as alterações que a tecnologia 5G vão introduzir na sociedade humana, tem este potencial transformador e um Homo Sapiens Sapiens Sapiens, capaz de se auto regenerar e praticamente não envelhecer estará ao virar da esquina.         

A capacidade transformadora e, claro, a quantidade de novos negócios que o 5G vai gerar são virtualmente impossíveis de calcular. Há quem diga que, por exemplo, a nova rede vai permite a ligação simultânea de 7 trilhões de dispositivos, mais ou menos mil por cada habitante da terra. O problema é que, como já sabemos, a igualdade e a tecnologia nunca caminham de mãos dadas. 

Só que o problema principal do 5G não é técnico, é político.  porque não é nenhum dos habitués a liderar a descoberta tecnológica. Nem a Europa, nem o Japão nem os Estados Unidos. Desta vez é a China. 

O que está em jogo é tanto que vai valer tudo para evitar que o gigante asiático ganhe a liderança da tecnologia que vai transformar o mundo.  Tudo. Até tirar olhos.