A bem da Nação

Quem estranha as medidas do governo na Educação nos Transportes só pode estar distraído com propaganda. A atitude do governo não só é expectável, como óbvia e, bem vistas as coisas, até desejável.

Neste momento só duas coisas preocupam António Costa. Aumentar a sua popularidade e apear Pedro Passos Coelho de líder PSD. Para que isso aconteça são precisas de duas coisas: manter-se no poder e minar a liderança partidária do antigo primeiro ministro.
Para se manter no poder, tem de cumprir as promessas que fez aos partidos que agora lhe deram a cadeira de São Bento. Para enfraquecer Passos Coelho precisa de dar sinais aos adversários internos do ex-PM que o PSD ainda pode voltar ao poder durante esta legislatura. Desde que alije o antigo líder.
É por isto que não se compreende tanto correr de tinta e até indignação, entre jornalistas  e comentadores . As alterações na Educação (fim de uns exames e aparecimento de outros) e nos Transportes (reversões e “desprivatizações”) são apenas a parte do acordo que Costa fez com os partidos que o apoiam na Assembleia da República. Estranho era se fosse ao contrário.
Estamos na “Fase 1” da governação onde Costa precisa do apoio da esquerda. Neste quadro é obrigatório fazer a vontade à maior corporação do país: os professores; e garantir ao PCP o poder “mítico” de paralisar o país via sector público dos transportes. Só assim haverá orçamento e a possibilidade de Costa governar com popularidade. O que não é difícil de prever, tendo em conta as medidas muito populares que estão anunciadas.
Por outro lado, (…)


continuar