Amigos do Porto

Por ocasião da amizade entre amigos de clubes rivais no dia do Porto Sporting a 1 de março de 2015

Hoje é dia de futebol mas sobretudo, domingo de amigos e família.

ameijoas-bulhão-pato-jose-manuel-diogo-colunista-zé-diogo
ameijôa boa
[dropcap] A [/dropcap]alegria começa logo de manhã, à mesa; e é, mediterraneamente, à mesa, que o dia vai tecer todas as horas até às 7 da tarde quando o fervor da bola nos levar à mui nobre e invicta cidade do Porto. O nosso Sporting joga no dragão e a partida serve de mote para juntar  família e amigos. Quanto ao futebol (o mote) pouco mais há a dizer porque esse pouco cabe em apenas duas palavras: “Sporting, allez!”  O que interessa agora é a celebração da amizade.

Dedicada à geografia deste dia, a ementa arranca nos rigores do Bulhão Pato, esse abade nortenho de grandes culinárias – As bichinhas – amêijoas boas – no alho e no azeite, cálice de vinho branco, duas ou três voltas em segredo e coentros, vão à mesa das entradas.

Depois ainda no sal do mar encontramos o peixe, prato de resistência, como dizem os franceses. Do atlântico noroeste, um pargo,

pargo-jose-manuel-diogo-colunista-zé-diogo
antes de entrar no forno
do legítimo, bonito e brilhante, podia chamar-se Emílio, assado no forno com batatas da aldeia (o cheiro da acre a terra que a casca tem não engana) acompanhadas de tinturas – colorau e vinho, limão e açafrão das índias, azeite da quinta espremido a frio.

Com os bivalves corre na garganta um espumante da Bairrada, honesto vivo, de fina bolha, a ostentar as armas do Marquês de Marialva. O peixe Emílio tem mais sorte e recebe o dilúvio mineral e granítico do  melhor branco do Dão – Encruzado Reserva 2007 da Quinta Mendes Pereira.

Para a sobremesa – afinal hoje é domingo – o meu filho, aprendiz de cibernética e culinária, foi-se aos anais da tradição e re-criou, na Bimby, um dos mais tradicionais doces lusitanos. Aquele que juntando norte e sul, Porto e Lisboa, cruza a história das das descobertas portuguesas. Arroz, leite, gemas de ovos, açúcar e canela. Oriente e novo mundo feitos deleite para o palato.

quinta-mendes-pereira-jose-manuel-diogo-colunista-zé-diogo
Quinta Mendes Pereira
Mas porque o dia também é de futebol as taças da sobremesa servem de cartaz para um desejo. Porque os prognósticos também podem ser antes do jogo desenhamos com pó de canela, “moída” entre polegar e indicador, a nossa vontade vespertina.

Hoje já é Março e à noite logo se vê.