Amoris Laetitia

Já dizia o apóstolo João que a letra mata e o espírito vivifica. O meu amigo João Soares apresentou hoje a demissão depois do polémico post no Facebook em que prometeu, sublinhe-se que literariamente, bofetadas aos colunistas do Público, Augusto M. Seabra e Vasco Pulido Valente. O Ex-ministro da Cultura demite-se por “profunda solidariedade com o Governo e o primeiro-ministro” e porque não aceita “prescindir do direito à expressão da opinião e palavra”.

Dedico-lhe do Eugénio de Andrade: “Sao como um cristal as palavras/ algumas um punhal, um incêndio/ outras orvalho apenas “.

O que hoje nos vivifica muito é a evolução da Igreja Católica. A exortação apostólica “Amoris Laetitia” (A Alegria do Amor), hoje divulgada, é a tomada de posição mais importante do Papa Francisco desde o início do seu pontificado. O Papa defende que os casais católicos em união de facto e os divorciados que se voltaram a casar, devem ser “mais integrados” na Igreja e que, em matérias de sexo e casamento, devem guiar-se por uma “consciência esclarecida”.

Apanharam o “homem do chapéu” Acabou uma das caças ao homem em curso na Europa. Foi detido Mohamed Abrini. O terrorista belga de 31 anos foi apanhado esta sexta-feira em Bruxelas depois de cinco meses em fuga. Segundo os serviços de informações europeus, Abrini, esteve envolvido na preparação dos atentados terroristas de Paris, que mataram 130 pessoas. Este é o mesmo homem do chapéu que surgiu na filmagem das câmaras de vigilância ao lado dos dois bombistas suicidas que se explodiram no aeroporto de Bruxelas, no passado dia 22 de março.