Cuidado com o tweeter sr. presidente!

Vitimas das Redes sociais

O uso desbragado que o Donald Trump faz do twitter tem de se comparar – inevitavelmente – com o que aconteceu em Portugal com o meu amigo, e ex-ministro da cultura, João Soares, aqui há uns meses.

Bem sei que há uma enorme diferença entre a América e a Europa no que diz respeito à conceptualização do que é liberdade de expressão e o exercício do poder. Mas essa diferença também tem de se medir no que diz respeito à hipocrisia do espaço político e à convivência deste com os medias sociais, e vice versa.

É certo que não podemos comparar o poder imenso do presidente dos EUA com a posição do ministro de uma pasta, infelizmente pouco abonada, de um país como Portugal, são coisas tão distintas como a Estrada da Beira e a beira da estrada. Mas no que diz respeito às redes sociais, temos que convir que a posição dos intervenientes tem muitas semelhanças.

As redes sociais são o melhor canal de sempre para a comunicação dos políticos com as pessoas, mas são também o mais perigoso. Porque  põe permanentemente em posição de igualdade político e cidadão, e nada é mais perigoso para um político no poder que o contacto descuidado e emocional com os seus cidadãos.

O uso desregrado que os politicos fazem das redes sociais, na ânsia de ganhar espaço na bolsa de valores dos seus votantes, é o maior perigo que na atualidade se apresenta ao exercício de cargos de poder. O “cargo”, que até aqui oferecia aos seus titulares uma distância protetora, por causa deste novo hábito da comunicação constante passa a ser apenas também uma cerca.

O mais certo é que seja por causa das redes sociais que Trump tenha a sua primeira crise de popularidade. E que seja pela boca do Tweeter que o seu poder diminua. E que seja por causa de um #hashtag que ele caia.

É preciso que os políticos tenham cuidado com o tweeter.