Ne­tanyahu em Washing­ton: “Veio, fa­lou e de­sa­pa­re­ceu”

Vale muito a pena ler a reflexão  de Jorge Almeida Fernandes sobre as eleicoes em Israel na próxima semana. Ou de como um pequeno país de interesses pode instrumentalizar o parlamento da maior democracia do mundo por uma questão de política interna. Israel ficará sempre a perder.

 O dis­cur­so de Ben­ja­min Ne­tanyahu (“Bi­bi”) no Con­gres­so ame­ri­ca­no, na ter­ça-fei­ra, foi um ac­to in­só­li­to. O pri­mei­ro-mi­nis­tro is­ra­e­li­ta foi ao Con­gres­so ame­ri­ca­no de­sa­fi­ar os Es­ta­dos Uni­dos e as cin­co po­tên­ci­as que ne­go­cei­am com o Irão o seu pro­gra­ma nu­cle­ar. Foi a con­vi­te dos con­gres­sis­tas re­pu­bli­ca­nos. Porquê in­só­li­to? O lí­der de um país que de­pen­de da pro­tec­ção mi­li­tar e da aju­da fi­nan­cei­ra ame­ri­ca­nas vai a Washing­ton ten­tar sa­bo­tar uma op­ção cen­tral da po­lí­ti­ca ex­ter­na dos EUA e de­sa­fi­ar o seu Pre­si­den­te.

Não foi um ges­to pre­ci­pi­ta­do. Pa­ra os re­pu­bli­ca­nos foi uma ten­ta­ti­va de pro­vo­car Oba­ma. Pa­ra “Bi­bi” o ob­jec­ti­vo pú­bli­co era in­cen­ti­var o Con­gres­so a re­jei­tar um even­tu­al acor­do com o Irão. O ob­jec­ti­vo es­con­di­do se­ria ou­tro. “A su­pre­ma pri­o­ri­da­de de Ne­tanyahu são as elei­ções, não é o Irão”, ad­ver­te o ana­lis­ta Nahum Bar­nea. Is­ra­el tem elei­ções no dia 17 e “Bi­bi” es­tá em apu­ros. O ges­to vi­sa­ria tra­var a fu­ga de elei­to­res do Li­kud (de “Bi­bi”) pa­ra par­ti­dos do cen­tro e da ex­tre­ma­di­rei­ta. Por is­so in­tro­du­ziu o Irão nu­ma cam­pa­nha do­mi­na­da por pro­ble­mas do­més­ti­cos.

Qu­ais fo­ram os efei­tos? O jor­na­lis­ta Ari Sha­vit, que diz con­cor­dar com al­gu­mas coi­sas que “Bi­bi” dis­se, su­bli­nha o fra­cas­so da sua re­tó­ri­ca de evo­ca­ções his­tó­ri­cas: “Es­cu­ta­ram­no e aplau­di­ram-no, mas não o le­va­ram a sé­rio. A ter­ra não se mo­veu e o chão não tre­meu. A ten­ta­ti­va de mu­dar al­gu­ma coi­sa fa­lhou. Ne­tanyahu veio, fa­lou e de­sa­pa­re­ceu.” Em com­pen­sa­ção foi lou­va­do pe­la im­pren­sa sau­di­ta.

No pla­no do­més­ti­co, as son­da­gens in­di­cam que o Li­kud ob­te­ve uma “pe­que­ni­na” pro­gres­são. No pla­no in­ter­na­ci­o­nal ali­e­nou mui­tos con­gres­sis­tas de­mo­cra­tas, su­bli­nha Bar­nea. A “re­la­ção es­pe­ci­al” en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e Is­ra­el as­sen­ta nu­ma ba­se “bi­par­ti­dá­ria”, aci­ma da ri­va­li­da­de en­tre de­mo­cra­tas e re­pu­bli­ca­nos. Es­ta “re­la­ção es­pe­ci­al” es­tá em len­ta ero­são e de­te­ri­o­rou-se no man­da­to de Ne­tanyahu.

“Bi­bi” nun­ca te­ve uma es­tra­té­gia. É um “so­bre­vi­ven­te” que fez da so­bre­vi­vên­cia po­lí­ti­ca a sua ar­te. Mu­da de lin­gua­gem con­so­an­te as con­jun­tu­ras, so­bre­tu­do as elei­to­rais. É es­pe­ci­a­lis­ta em ge­rir o sta­tu quo e evi­tar rup­tu­ras au­da­zes. Tem bons ner­vos pa­ra pra­ti­car uma “es­tra­té­gia de ten­são”, in­clu­si­ve com os EUA, quan­do tal lhe é po­li­ti­ca­men­te útil. É mes­tre na ma­ni­pu­la­ção de sen­ti­men­tos pro­fun­dos dos is­ra­e­li­tas: “a ame­a­ça exis­ten­ci­al” e o te­mor de um con­luio mun­di­al con­tra Is­ra­el.

“Inu­ti­li­da­de es­tra­té­gi­ca”

Meir Da­gan, an­ti­go che­fe da Mos­sad, de­cla­rou que Ne­tanyahu é quem “mais da­nos cau­sa” a Is­ra­el na ques­tão ira­ni­a­na. Mais de 200 ofi­ci­ais re­for­ma­dos da Mos­sad, do Shin Beth (se­gu­ran­ça in­ter­na) e do Aman (in­for­ma­ção mi­li­tar) ape­la­ram pu­bli­ca­men­te ao vo­to con­tra “Bi­bi”, acu­sa­do de uma po­lí­ti­ca “aven­tu­rei­ra” que en­fra­que­ce a ali­an­ça ame­ri­ca­na.

Tan­to os an­ti­gos es­piões, co­mo mui­tos ana­lis­tas, re­pe­tem que to­do o Mé­dio Ori­en­te es­tá a so­frer uma mu­dan­ça ge­o­po­lí­ti­ca drás­ti­ca e que Is­ra­el não a es­tá a acom­pa­nhar. Oba­ma, se­guin­do a mai­o­ria dos es­tra­te­gos ame­ri­ca­nos, apos­ta nu­ma es­ta­bi­li­za­ção do Mé­dio Ori­en­te com ba­se em qua­tro ac­to­res de pri­mei­ro pla­no: Tur­quia, Is­ra­el, Ará­bia Sau­di­ta e Irão. Is­to su­põe “ador­me­cer” a dis­pu­ta en­tre xi­i­tas e su­ni­tas e acei­tar que o Irão re­cu­pe­re o seu es­ta­tu­to ge­o­po­lí­ti­co. A emer­gên­cia do Es­ta­do Is­lâ­mi­co tor­nou ur­gen­te es­ta re­com­po­si­ção.

Se Is­ra­el não se ajus­tar ao no­vo ta­bu­lei­ro, cor­re o ris­co da­qui­lo a que os ana­lis­tas cha­mam “inu­ti­li­da­de es­tra­té­gi­ca” na po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na pa­ra a re­gião. Is­ra­el ha­bi­tu­ou-se a ser o cen­tro das aten­ções ame­ri­ca­nas no Mé­dio Ori­en­te. Es­sa épo­ca es­tá a pas­sar.

Ne­tanyahu de­sa­fia a re­a­li­da­de: uma pe­que­na po­tên­cia não con­se­gue di­tar a po­lí­ti­ca da su­per­po­tên­cia pro­tec­to­ra por mais que se apro­vei­te das con­tra­di­ções ame­ri­ca­nas ou do pe­so do lobby ju­dai­co nos EUA.

Na cam­pa­nha elei­to­ral, a ques­tão pa­les­ti­ni­a­na de­sa­pa­re­ceu do ma­pa. Tal co­mo em 2013. Es­cre­veu na al­tu­ra o ana­lis­ta Gi­de­on Levy: “Is­ra­el fez uma ca­te­gó­ri­ca de­cla­ra­ção so­bre aqui­lo que quer. Não quer na­da, quer que o dei­xem em paz. Os elei­to­res que­rem uma vi­da tran­qui­la, con­for­tá­vel, pa­cí­fi­ca e bur­gue­sa. (…) Que vão pa­ra o in­fer­no as ques­tões in­có­mo­das — pa­les­ti­ni­a­nos, co­lo­nos e Irão.”

No edi­to­ri­al so­bre o dis­cur­so de “Bi­bi” no Con­gres­so o diá­rio Ha­a­retz (cen­tro-es­quer­da) su­bli­nha que a ver­da­dei­ra “ame­a­ça exis­ten­ci­al” ao Is­ra­el de­mo­crá­ti­co é a in­ter­mi­ná­vel co­lo­ni­za­ção do ter­ri­tó­rio pa­les­ti­ni­a­no. “Du­ran­te os seis anos de Ne­tanyahu, a ocu­pa­ção an­co­rou-se mais no co­ra­ção de Is­ra­el. As ten­sões in­ter­nas en­tre ju­deus e ára­bes agra­va­ram-se e os par­ti­dos de ex­tre­ma-di­rei­ta ri­va­li­zam en­tre si na ini­ci­a­ti­va de leis an­ti­de­mo­crá­ti­cas des­ti­na­das a ins­ti­tu­ci­o­na­li­zar a dis­cri­mi­na­ção con­tra a mi­no­ria e des­po­já-la de di­rei­tos po­lí­ti­cos e de ex­pres­são.”

Com a so­lu­ção “dois Es­ta­dos” pra­ti­ca­men­te mor­ta, so­bra a so­lu­ção di­ta “Es­ta­do ju­dai­co”. Com a ine­vi­tá­vel su­pe­ra­ção da po­pu­la­ção ju­dai­ca pe­la ára­be, de­se­nha-se no ho­ri­zon­te um sis­te­ma de apartheid — ex­plo­si­vo e sem fu­tu­ro. São is­ra­e­li­tas quem, há mui­tos anos, o diz.

Ho­je dis­cu­tem-se idei­as que há pou­cos anos eram ini­ma­gi­ná­veis e se­ri­am de­nun­ci­a­das co­mo “ra­cis­tas”, la­men­ta Col­le­te Avi­tal, an­ti­ga em­bai­xa­do­ra em Lis­boa.

E se “Bi­bi” per­der?

Nes­tas elei­ções há uma no­vi­da­de. Pa­ra en­fren­tar o Li­kud, os tra­ba­lhis­tas de Yitzhak Her­zog co­li­ga­ram-se com os cen­tris­tas da ex-mi­nis­tra da Jus­ti­ça Tzi­pi Liv­ni, for­man­do a União Si­o­nis­ta. Es­tão em­pa­ta­dos nas son­da­gens. Is­to não quer di­zer mui­to. O sis­te­ma elei­to­ral is­ra­e­li­ta im­põe um par­la­men­to frag­men­ta­do, o que exi­ge co­li­ga­ções de três, qua­tro ou mais par­ti­dos. Os dois par­ti­dos his­tó­ri­cos, La­bor e Li­kud, so­fre­ram uma enor­me ero­são e mes­mo co­li­ga­dos fi­ca­ri­am lon­ge da mai­o­ria de 61 de­pu­ta­dos. Uma de­ze­na de ou­tros ac­to­res, da es­quer­da à ex­tre­ma-di­rei­ta, pas­san­do pe­lo cen­tro, te­rão um pa­pel re­le­van­te.

“E se Ne­tanyahu fos­se ba­ti­do?”, in­ter­ro­ga-se o ana­lis­ta fran­cês Do­mi­ni­que Moï­si. “As con­sequên­ci­as se­ri­am po­si­ti­vas pa­ra a ima­gem do Es­ta­do he­brai­co no mun­do. (…) Mais do que uma vi­tó­ria do cen­tro-es­quer­da, se­ria uma re­jei­ção de Ne­tanyahu.” Mais por ra­zões do­més­ti­cas do que por ra­zões de po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal.

Há mui­tos ce­ná­ri­os: uma ali­an­ça da União Si­o­nis­ta com cen­tris­tas; uma co­li­ga­ção do Li­kud com a ex­tre­ma-di­rei­ta; e, in­clu­si­ve, uma “união na­ci­o­nal” en­tre Ne­tanyahu, Her­zog e cen­tris­tas. “Bi­bi” tem uma van­ta­gem: com mais es­co­lhas, é quem mais fa­cil­men­te po­de cons­truir uma co­li­ga­ção.

Na es­quer­da o am­bi­en­te é pes­si­mis­ta. “O pro­ble­ma pa­les­ti­ni­a­no é um pro­ble­ma sem so­lu­ções”, diz o his­to­ri­a­dor Tom Se­gev. Her­zog ten­de­ria, no en­tan­to, a nor­ma­li­zar as re­la­ções com Oba­ma. Gi­de­on Levy tem o pres­sen­ti­men­to de que Ne­tanyhau “es­tá aca­ba­do”. Mas na­da es­pe­ra de Her­zog: “Se­ria aco­lhi­do co­mo he­rói em Washing­ton e na Eu­ro­pa, di­a­lo­ga­rá com os pa­les­ti­ni­a­nos mas não fa­rá na­da.” Pa­ra on­de ca­mi­nha Is­ra­el?

In Publico