Portugal para inglês ver

Para Inglês ver

Vivemos um novo tempo de descobertas. A circunstância geográfica de Portugal que – com exceção da época dos descobrimentos – sempre nos penalizou, é de novo uma vantagem competitiva. A matéria prima para o nosso sucesso futuro é de novo a centralidade. As nossas antigas forças são mais importantes do que uma qualquer nova estratégia. Bem feitas as contas, convocar a história é outra vez a nossa melhor oportunidade.
Contudo os tempos mudaram e, nos dias de hoje, não chega fazer o mesmo de “antes” utilizando apenas a tecnologia de “agora”. É preciso reinventar os descobrimentos mas com as ferramentas do século XXI. Podemos começar pelo marketing e mudar de slogan. – Agarre no seu livro de história e corrija por favor: onde antes se lia “Levar novos mundo ao mundo” deve agora ler-se “Trazer os melhores do mundo para cá”.
Mas para que isto aconteça não podemos deixar o futuro à mercê do nosso bom clima. Para que os melhores do mundo escolham viver e trabalhar em Portugal, em vez de virem apenas fazer turismo ou visitar a família é preciso fazer mudanças estruturais na nossa sociedade.

Uma aposta quase em exclusivo no Turismo, é uma solução fraca e perigosa.

É certo que Educação é um sector fundamental, e onde muito foi feito nas últimas décadas, mas se, à saída da faculdade, a expectativa de emprego for gerir um negocio de turismo local, os cientistas, engenheiros e gestores, que Portugal tanto se orgulha de formar, terão sido apenas um mau negócio, um investimento feito no vazio, ou, pior ainda, uma borla dada à concorrência.
Uma aposta quase em exclusivo no Turismo, é uma solução fraca e perigosa. Os empregos que o Turismo gera são mal pagos e os investimentos em novos equipamentos são feitos principalmente por estrangeiros que não reinvestem de novo em Portugal ou, quando o fazem, é para criar mais emprego de fraca qualidade.
Se por algum motivo, a globalização desacelerar, como muitos indicam, e a mobilidade generalizada entre países enfraquecer, como já está a acontecer – dois fatores que não dependem de nós – o Turismo imediatamente deixará de ser a galinha dos ovos de ouro que hoje é, e Portugal voltará ao caminho do empobrecimento.
Apesar de os indicadores económicos parecerem otimistas e o Governo cantar vitória com o mais baixo défice em democracia, em Portugal, as necessárias mudanças estruturais estão ainda por fazer porque mm país sem empregos qualificados está condenado à pobreza. É por isto que uma aposta exagerada no Turismo é um erro.

Publicado originalmente no Jornal de Notícias