Seu garoto, meu paipai!

No dia em que podia estar dando entrevistas aos mídia internacionais mostrando ser o providencial homem de estado de quem o Brasil tanto precisava, Bolsonaro volta a nos surpreender negativamente.

No dia em que podia cantar vitória e recolher os merecidos louros, o homem que foi capaz de aprovar a reforma da previdência, decide colocar outro assunto na agenda mediática do Brasil. E de novo contra si.

Então eu pergunto: Presidente, precisava mesmo declarar agora o apoio ao seu filho Eduardo para embaixador dos Estados Unidos? E mesmo que essa pretensão possa até ser legítima, era esta a hora? Presidente, que sentido fez jogar fora uma oportunidade de ouro para aumentar seu poder e reputação internamente e no exterior?

Parabéns pela Previdência presidente. Conseguir a maioria necessária para mudar a constituição e aprovar uma lei que moderniza o estado vai colocar o Brasil na rota das economias modernas, merece uma ovação de pé. São feitos dessa grandeza que escrevem capítulos inteiros na biografia dos homens e deixam marco na história das nações.

Parabéns de novo! Colocar dezessete (17) partidos de acordo no que é essencial depois de tantos anos de políticas em sentido contrário é uma vitória inquestionável – e que é sua.

Por isso insistir agora no zero 3 para Washington é difícil de entender, presidente. Até porque os Estados Unidos são o principal adversário econômico do Brasil. São nosso maior competidor pela liderança global no mercado alimentar e vão dificultar o mais possível, e por todos os meios, o agronegócio brasileiro.

A reforma que o senhor agora aprovou é uma coisa que deixa a Casa Branca preocupada. A competitividade extra que vai chegar ao Brasil por via da reforma da Previdência é uma má notícia para a América que deixa Donald Trump calado no twitter.

Mandar seu filho jantar na sala dele não é bom para o Brasil. É uma falsa boa ideia. O Brasil competitivo do futuro necessita de um embaixador experiente e profissional nos EEUU. Um cara de Poker, não o filho do cara.

O futuro do Brasil não pode depender de relações familiares. Zero 3 acabou de cumprir 35 anos e tem toda a vida pela frente, expô-lo a uma sabatina na Comissão das Relações Exteriores será um embaraço do ponto de vista político para Jair e para Eduardo.

E pode até ser que os dois aguentem a pancada, mas o Brasil não precisa. Nem merece.


Publicado originalmente na Revista IstoÉ a 12 de julho de 2019