Etiqueta: Futuro

Read More

A História do SIRESP

O assunto chegou a estar no Ministério Público mas o caso foi arquivado, aparentemente sem o relatório ser lido tomado em conta. Em 2008 ficou decidido que ninguém tinha culpas na compra do SIRESP, um […]

Read More

Pókemon GO? Jogar ou não Jogar, Eis a questão!

O Pókemon GO está nas bocas do mundo. É um vício para todos os que o experimentam e um dos jogos mais interessantes e revolucionários de todos os tempos. É a primeira vez que um jogo de telemóvel transporta as pessoas para fora da sua zona de conforto, obrigando-as a ir para fora de casa, para longe do sofá. Pela primeira vez na história da humanidade o mundo virtual precisa do mundo real. É como se Deus descesse à terra para falar com os fiéis.

Quando se achava que já não havia mais espaço para inovar no mundo dos videojogos, a Nintendo arriscou e conquistou. Desde que o jogo foi lançado, as ações da empresa cresceram mais de 25% na bolsa de Tóquio e a capitalização em empresa já disparou em mais de 6 mil milhões de dólares. Tudo graças ao Pókemon Go.

A série animada de TV Pókemon criada em no dia 1 de Abril de 1997, surge agora em versão de vídeojogo de realidade aumentada. Nos últimos dias, a nova aplicação já cativou milhares de pessoas e tem sido um sucesso pelo mundo inteiro. Quanto mais um jogador caminhar por sítios emblemáticos de uma cidade, mais hipóteses terá de encontrar os lugares estratégicos para capturar os Pókemons. O mais surpreendente desta aplicação é o recurso à geolocalização, onde o mapa virtual no telemóvel representa na integra o espaço em que o jogador se encontra na realidade. Se fosse xadrez o mundo era o tabuleiro. E vc, caro jogaddor, o rei branco.

Experimente fazer um passeio de final de tarde por um jardim ou por uma avenida da cidade  – o jogo funciona em quase todasas cidades do mundo – e percebe logo as proporções que o jogo tomou. Todos na rua, agarrados ao telemóvel.

Mas este jogo tem pontos muito positivos. Para além de combaterem o sedentarismo, os jogadores têm de sair do seu “casino privado” e andar pelas ruas à procura de pokemons, pokestops ou de ginásios, o Pokemon Go é ainda didático, engenhoso e divertido.

Mas atenção. Cuidado para não se tornar num burro com palas nos olhos. Veja onde põe os pés. A  segurança dos jogadores até já foi alvo a atenção da Polícia de Segurança Pública que compôs assim um manual (com alguma animação à mistura) para comunicar as precauções que os jogadores devem tomar.

Este comunicado, provavelmente o primeiro comunicadio que a polícia real vaz ao mundo virtual, vem na sequência de alguns delitos, incidentes e até lesões graves. Nestes dias de maior febre do jogo, assiste-se inclusive a videos inéditos. Há imagens captadas no Central Park, em Nova Iorque, em que surge um Vaporeon Spawns – um dos Pokemon mais raros –  onde se vêm dezenas de pessoas abandonam os seus carros a correr na tentativa de apanhá-lo.

Gostou? Vai fazer o download da aplicação. Ou quer continuar a passear de mão dada com a namorada ou a famíla?

PÓKEMON GO. Antes de ir embora, se se interessar, aqui fica o léxico da série.

Read More

Escritor para redes sociais: Precisa-se!

Um cartaz anunciava na montra de um café: “Escritor de redes sociais: precisa-se”. Não era empregado, nem barman. Nem cozinheiro, nem vendedor. A vaga era para o facebook.. Condições de acesso: Inglês e smartphone. Como […]

Read More

INDY ON / OFF

So long old Independent!
Hello modern independent!

Como anunciado O jornal britânico The Independent publica hoje a sua última edição em papel e adopta uma opção exclusiva pelo ‘online’ que em breve outros jornais no mundo vão seguir.

No último editorial do jornal indy impresso lê-se que a história julgará esta transição para o ‘online’ como um exemplo para outros jornais no mundo seguirem (…) o fim de um capítulo e o princípio de outro se inicia.

Para os mais reticentes fica uma nota.

Também um dia deixámos de escrever na máquina e passámos para o computador. O que se perdeu?  Pouco ou nada. Apenas melhorou.

Nas tarefas da informação o papel está condenado – e bem – a manter-se nas árvores.

Aliás onde faz falta.

[bctt tweet=”Nas tarefas da informação o papel está condenado – e bem – a manter-se nas árvores.”]

Read More

Oh calengs, my Calengs

Inventar palavras é um exercício difícil. As palavras são resumos eficazes dos sentimentos, das coisas, dos sentidos, enfim, do mundo. Inventar palavras é um privilégio da experiência e da sabedoria, mas pode ser também uma […]

Read More

PADE XXXV

Foram dos “dias da minha vida” os que passei na AESE fazendo o PADE XXV. Entre o saber e a fé, o excel e a palavra. Aliquid stat pro aliquod.   Vai fazer meu dúzia de anos que […]

Read More

Como olhando a luz

Devia ser um sonho quando me chegou. À volta de uma mesa, eu, com apenas 14 anos, almoçava na companhia dos meus  filhos. Todos crianças. Vejo de fora. Observo-os com atenção. Falam entre si do futuro, […]

Read More

O Cartaz

Olhou para cima e gostou. O cartaz era mesmo grande. Via-se de todo o lado. Da Alexandre Herculano, do Salitre, da Escola Politécnica. E no largo do Rato era omnipresente. Não havia nenhum ângulo morto […]

Read More

Como será o Futuro

[dropcap] O [/dropcap] dramaturgo francês Vítor Hugo escrevia, falando do seu tempo, “O século XIX é grande, mas o século XX será feliz”. Hoje, olhando para a história podemos dizer que se enganou. Mas será que […]

Read More

Saudades do Futuro

O teu sorriso é uma cidade cheia de silêncios ruidosos e passageiros sedentários. Olhares lânguidos e surdos. Luzes baças que quase sempre são também esquivas. Cheia de viagens impossíveis ao passado, mergulhos desesperados no futuro […]

Read More

Eu? Do-nan-za!

O mercado de trabalho mudou para sempre. Viver na Índia ou em Portugal é exatamente a mesma coisa se houver internet e falares inglês. Encontrei o Paulo à porta da festa de Natal da minha […]

Read More

A Máquina do Tempo

Todos podemos ter uma Máquina do Tempo Já imaginou como seria se pudesse ver o futuro antes de tomar as decisões mais críticas na sua empresa, na seu partido, na sua vida pessoal? Aquele erro […]